DUPLOS | Castelo de Portalegre | individual exhibition | 8 Nov. - 11 Jan. 2014





DUPLOS | Castle of Portalegre | Site specific objects, drawings, images, photos




DUPLO W | fotografia digital | espelhamento e geometria das aberturas na sala da torre





DUPLO L | acrílico, papel de alumínio | várias dimensões | site specific | sala da torre de menagem





DUPLO A #1 | acrílico, madeira, balsa, metal, fita cola de parede, tinta de esmalte branca | 1,20 x 1,20 m 






DUPLO A #2 | madeira | 1,20 x 1,20 m 






DUPLO C #1 | impressão jacto de tinta, papel algodão, aguarela, acrílico, parafusos| 1,20 x 0,90 m 







DUPLO C #2 | impressão jacto de tinta, grafite, aguarela, aguada | 30 x 30 cm






 DUPLO E | série de 6 | impressão a jacto de tinta sobre papel transparente em sobreposição | cada 30 cm







DUPLOS C  | série de 10 duplos de D | técnica mista sobre papel | cada 35 cm





DUPLO H  | moldura de madeira e vidro pintado a esmalte branco, papel japonês, papel alumínio, tira LED | cada 35 x 45cm









DUPLO V  |  técnica mista: papel vegetal, cartão, madeira, cola, leds, cortina | 160x40 cm sobre 200x300 cm































DUPLO V  video | projection in the  stone wall of the Castel of Portalegre | 300x100 cm


Para além da forma
O trabalho que Isabel Barbas tem desenvolvido nos últimos anos, opera dentro de um sistema de percepções. Durero e Alberti, quebrando o poliedro compacto do mundo medieval, foram os primeiros a dar-se conta de que as coisas tinham propriedades permanentes e propriedades acidentais. Propriedades que dependiam das alterações de luz ou de lugar. Desde esse momento o mundo passou a ser feito, não apenas de símbolos, mas também de percepções.
Nesta exposição, as obras que ocupam o espaço, levam-nos a viajar por esse mundo de percepções que Durero e Alberti descobriram. Um mundo feito de sombras e de luz, onde a obra de arte já não é uma; são muitas. Um mundo feito de duplos que reivindicam a sua própria autonomia no momento em que abandonam o corpo original e dão forma a objectos fragmentados e indefinidos, que dependem do ritmo da luz para ganharem significado. Obras de arte que resistem à imediatez das palavras e rendem homenagem ao misterioso e inesperado da vida...
.........................
Bárbara Silva (Coimbra, 1977), arquitecta pela Universidade de Coimbra em 2003, vive e trabalha entre Lisboa e Rio de Janeiro. Actualmente concilia a prática de arquitectura com o ensino, a investigação e a crítica. Professora convidada em várias Universidades Internacionais (Madrid, São Paulo e Alghero). É sócia fundadora da NOTE; empresa que se dedica à edição e divulgação da arquitectura/arte



In addition to form
The work that Isabel Barbas has developed in recent years operates within a system of perceptions. Durero and Alberti, breaking the compact polyhedron of the medieval world, were the first to realize that things had permanent properties and accidental properties. Properties that depended on the transformations of light or places. From that moment the world began to be made, not only by symbols, but also of perceptions.
In this exhibition, the art works that occupy the space, lead us to travel through this world of perceptions that Durero and Alberti discovered. A world made of shadows and light, where the work of art is no longer one; Are many. A world made up of doubles who claim their own autonomy as they abandon the original body and give way to fragmented and indefinite objects that depend on the rhythm of light to gain meaning. Works of art that resist the immediacy of words and pay homage to the mysterious and unexpected life...
.........................

Bárbara Silva (Coimbra, 1977), architect by the University of Coimbra in 2003, lives and works between Lisbon and Rio de Janeiro. At the moment she conciliates the practice of architecture with teaching, research and criticism. Invited Professor at several International Universities (Madrid, São Paulo and Alghero). She is a founding partner of NOTE; Company dedicated to the edition and dissemination of architecture / art
.

NEWS| PRESS | CLIPING

MUDE EXPÕE OBRA DO DESIGNER PORTUGUÊS JOSÉ ESPINHO07 DEZEMBRO 2015

Inaugura no próximo dia 11 de dezembro, no MUDE – Museu do Design e da Moda, Coleção Francisco Capelo, em Lisboa, a primeira grande exposição dedicada à vida e obra deJosé Espinho (1915-1973), um dos pioneiros do design português, mas ainda hoje quase desconhecido do grande público.

José Espinho é autor de uma obra vasta que vai da arquitetura de interiores ao design de produto, passando pelo design efémero, design expositivo, design gráfico, edição e ilustração. Em exibição estarão cerca de 90 peças de mobiliário e uma vasta documentação iconográfica que dá a conhecer vários espaços interiores em que o designer interveio, nomeadamente o Teatro Micaelense, Cine-Teatro Monumental, Cervejaria Solmar, Hotel Mundial, Hotel Tivoli, Hotel Estoril-Sol, Casino do Estoril, Hotel Alvor, Hotel Trópico Luanda, na sua grande maioria desvirtuados ou demolidos.

Para conhecer o homem por detrás da obra, a mostra incluirá também alguns objetos pessoais que testemunham o gosto de José Espinho pela pintura, o seu talento para o desenho, sentido de humor e interesse pela fotografia e música.

O mobiliário, produzido em colaboração com várias empresas, particularmente com os Móveis Olaio, onde foi consultor de Estética Industrial, é apresentado numa sequência cronológica e em três momentos principais: neo-rústico, moderno e estética industrial.

A mostra estará em exibição no piso 3 do MUDE, até 17 de abril de 2016.

Não deixe de passar por lá!

Exposição José Espinho. Vida e Obra
Programação e Coordenação Geral: Bárbara Coutinho
Curadoria: Graça Pedroso
Design Expositivo: Isabel Barbas | João Manuel Alves Arquitetos
Design Gráfico: Paula Guimarães

www.modalisboa.pt

Há bancos que lembram gaivotas no Cais do Sodré

Espaço ocupado pelo Jardim Móvel das Oliveiras, na zona ribeirinha de Lisboa, acolhe exposição de mobiliário urbano fabricado em Paredes

Texto de Marisa Soares • 30/01/2015 - 11:51


Bancos de madeira maciça que lembram eléctricos sobre carris, "chaises longues" em forma de gaivota em pleno voo, simples bancos corridos ou em forma de cepos. Desde esta quinta-feira, o espaço conhecido como Jardim Móvel das Oliveiras no Cais do Sodré, em Lisboa, acolhe uma exposição de mobiliário urbano que convida a “Desfrutar o Tejo”, nome atribuído ao concurso lançado pela Câmara de Paredes, em parceria com a Câmara de Lisboa.

A iniciativa, integrada no evento internacional Art on Chairs, com a colaboração do MUDE — Museu do Design e da Moda, tem como objectivo aliar a criatividade e o design de arquitectos portugueses à qualidade e tradição das empresas de móveis de Paredes, que executaram as peças.

Os bancos, instalados junto ao rio num local agora vedado aos automóveis — e que esta tarde estava impecavelmente limpo e ordenado, ao contrário do que é habitual — , vão ser utilizados no projecto de remodelação do espaço público do Cais do Sodré e Largo do Corpo Santo, a cargo do ateliê Bruno Soares Arquitectos, o mesmo que elaborou o projecto para a requalificação do Terreiro do Paço.

A exposição, inaugurada esta quinta-feira à tarde com a presença dos autarcas das duas câmaras promotoras, António Costa e Celso Ferreira, resulta do desafio lançado a cinco equipas de arquitectos e designers para proporem peças de mobiliário que privilegiassem a relação das pessoas com a cidade e com o Tejo. As equipas inspiraram-se em elementos distintivos de Lisboa, como os eléctricos, a calçada portuguesa ou os bancos de ripas de madeira.

O júri do concurso atribuiu o primeiro prémio à dupla ISABEL BARBAS E JOÃO MANUEL ALVES, de Lisboa, que apresentaram a proposta "Jardim das Gaivotas". Segundo explicaram os autores na inauguração da exposição, as "chaises longues" em madeira — que, pela sua forma, se destacam entre o mobiliário exposto — foram inspiradas nas gaivotas, presença assídua naquela zona ribeirinha e também na obra "Chaise Longue" do arquitecto francês Le Courbousier.

Eesta quinta-feira foi também inaugurada a exposição "Como se pronuncia design em português?", no MUDE, que integra mais de 150 peças de 76 autores produzidas nos últimos 60 anos.

http://p3.publico.pt/node/15499


Art on Chairs anuncia vencedores do concurso "Desfrutar o Tejo". Outubro 31, 2014

Já são conhecidos os vencedores do concurso-convite “Desfrutar o Tejo – Propostas para mobiliário urbano”, integrado no Art on Chairs 2014-15. O primeiro prémio foi atribuído à dupla Isabel Cristina Miranda Barbas e João Manuel de Matos Alves, o segundo, a Miguel Palmeiro, e o terceiro prémio coube a Daniel Caramelo e Bárbara Fachada.

“Desfrutar o Tejo” é promovido pela Câmara Municipal de Paredes, em parceria com a Câmara Municipal de Lisboa no âmbito do Art on Chairs, e conta com a organização da Universidade de Aveiro, através do ID+ (Instituto de Investigação e Design, Media e Cultura), com a colaboração do MUDE – Museu do Design e da Moda, Coleção Francisco Capelo.

Esta edição tem por objetivo identificar soluções inovadoras e originais de mobiliário urbano enquanto componente indispensável da fruição do espaço público. As soluções propostas deveriam enquadrar-se no projeto de requalificação urbana previsto para o Cais do Sodré, Largo do Corpo Santo e envolventes, em Lisboa, da autoria de Bruno Soares Arquitetos. Além disso, os projetos concorrentes teriam de contribuir para o reforço da promoção da capacidade produtiva de excelência do tecido industrial de Paredes ao nível da transformação da madeira maciça e derivados.


CLIPPING | PRESS


Baixa do Porto ganha hoje uma instalação (see here : http://isabelbarbas.blogspot.pt/search/label/URBAN%20LIGHT%20INSTALLATIONS )

Os baloiços mal se iluminaram foram ocupados, por todos aqueles que passavam na Avenida e se deparavam com espanto com a instalação dos "Nove Baloiços", da autoria da arquiteta Isabel Barbas, integrada no projeto no projeto "1.ª Avenida - Dinamização Económica e Social da Baixa do Porto", que resulta de uma parceria entre a Câmara Municipal do Porto, através da PortoLazer, e a Porto Vivo SRU, sendo cofinanciado pelo Programa Operacional Temático Valorização do Território, do QREN, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Publicado em: 07-12-2012

http://www.cm-porto.pt/gen.pl?p=print&op=view&fokey=cmp.stories/20326&sid=cmp.sections/4

Exposição Ilumina (see here: http://isabelbarbas.blogspot.pt/2013/02/slim-moon.html )

A EUAC – Escola Universitária de Artes de Coimbra associou-se à AEP e AIPI na divulgação de resultados do projeto Ilumina ao promover um espaço de intervenção e debate sobre o Ilumina e as temáticas associadas, em particular as relacionadas com o design de produto, tendo para o efeito convidado os designers Isabel Barbas (Portugal) e Maurizio Rossi (Itália), envolvidos na fase de teste da metodologia Ilumina. Foi ainda inaugurada uma exposição de trabalhos de alunos da EUAC e de protótipos de produtos desenvolvidos no âmbito do Projeto Ilumina. A mesma estará patente na sala de exposições da EUAC até ao próximo dia 17 de Outubro.

Publicado em: 12-10-2012

http://ilumina.aeportugal.pt/lerNoticia.asp?ID=32

Isabel Barbas “projecta” Árvore de Natal para Portalegre (see here: http://isabelbarbas.blogspot.pt/2011/12/eco-flat-tree-portalegre-natal-2011.html )

A Câmara Municipal de Portalegre desafiou a arquitecta Isabel Barbas a “dar mais brilho à cidade de Portalegre”:

http://www.construir.pt/2011/12/12/isabel-barbas-%E2%80%9Cprojecta%E2%80%9D-arvore-de-natal-para-portalegre/

12 de Dezembro de 2011, por ANA RITA SEVILHA

ECO FLAT TREE Rádio Elvas entrevista Isabel Barbas
http://radioelvas.podomatic.com/entry/2011-12-19T02_13_41-08_00

Portalegre:“Eco Flat Tree” uma forma diferente de ver o Natal
Isabel Barbas utiliza 90 módulos de flat cone, fios e mangueiras LED, e estruturas de aço provenientes das oficinas da autarquia para criar uma Instalação de Natal de 7 metros de altura na capital de distrito alentejana. A Câmara Municipal de Portalegre convidou a arquitecta Isabel Barbas a dar mais brilho à cidade de Portalegre. O desafio resultou numa Instalação Natalícia: a “Eco Flat Tree” é uma Árvore de Natal elaborada com materiais existentes nas oficinas do Departamento de Obras da autarquia e outros materiais que poderão ser, depois, aproveitados em trabalhos camarários. Nesta obra de arte serão aplicados 90 módulos de sinalização provisória com com bandas reflectoras (Flat Cone ET6) que costumam ser utilizados para sinalizar zonas de trabalho, desvios de circulação ou obstáculos na via pública, vários fios e mangueiras LED e estruturas de aço. Com esta Instalação Natalicia pretende-se demonstrar que é possivel ter decorações de Natal associadas a criatividade, reciclagem e poupança sem perder a magia e a esperança características desta época. A “Eco Flat Tree” tem 7 metros de altura e vai ficar a brilhar nos Paços do Concelho até inicio de Janeiro de 2012. Segundo Isabel Barbas, autora da Instalação Natalicia “Fazendo uso deste sinal não só conseguimos um objecto auto-iluminado, como uma árvore de Natal branca e laranja, cheia de reflexos, que possibilita várias leituras (conceptuais). Esta seta ou triângulo que aponta para o céu, brilha, sem gastar muita energia, brinca com o espectador e sugere uma reflexão sobre os novos caminhos a trilhar. Sinaliza um desvio; ou aponta uma outra “faixa de rodagem”. A mensagem é clara – vamos reciclar e aproveitar os recursos existentes. Terminado o Natal, todos os materiais usados na árvore são reaproveitados e usados noutros contextos, trabalhos ou eventos camarários.” Para Adelaide Teixeira, presidente da Câmara Municipal de Portalegre, “Apesar das dificuldades que o País e a Autrquia atravessam, não quisemos deixar de assinalar o Natal na nossa cidade convidando uma portalegrense, com trabalho reconhecido também no estrangeiro, a exprimir a sua criatividade. Esta é uma forma inédita de nos fazer refletir sobre esta importante Quadra Festiva, na qual tantas pessoas viajam pelas nossas estradas e é também uma forma sustentável e inovadora de, em tempos difíceis, alegrar a nossa cidade e fazer passar a mensagem de Esperança que caracteriza o Natal”
http://www.portalalentejano.com/


Arquitectura em Exposição (see here:
http://isabelbarbas.blogspot.pt/2010/01/quiosque-m.html )
A empresa Outros Mercadus e a Delegação dos Açores da Ordem dos arquitectos, com o apoio da Academia das Artes dos Açores, promove a partir da próxima sexta-feira, dia 4, a exposição do Prémio “Outros Mercadus ´08”, A sessão de inauguração da mostra, a acontecer a partir das 18h30, será seguida pelo lançamento da 3ª Edição do Prémio e pela conferência “atmosferas” com a arquitecta Isabel Barbas, vencedora da 2ª Edição do Prémio.
Açoriano Oriental, Quarta-feira 2 Dezembro de 2009

Prémio OutrosMercadus ´08
Teve lugar no passado mês de Dezembro a cerimónia de atribuição do Prémio OutrosMercadus´08. Nesta edição, o Júri atribuiu o prémio ao projecto Quiosque M. POLI - quiosque para feiras efémeras de Isabel Cristina Miranda Barbas e Ben Busche. Ainda segundo o Júri, a obra vencedora revelou um cuidado projectual extremo e um resultado irrepreensível no que toca ao objectivo proposto. O desenvolvimento de uma solução para feiras e mercados temporários que cumprisse com todos os objectivos de logística, de funcionalidade, de integração urbana e de relevo arquitectónico é um exercício complexo. Foram ainda distinguidas três candidaturas, entre as nomeadas, com três menções: Projecto Cénico para Ciclo ´Convidados Morto e Vivos`, de João Mendes Ribeiro; ´Linhas`, obra de Naoki Seshimo, Edulo Lins e Junko Inamura, para o Espaço Cultural Maus Hábitos e a instalação ´Toll Free/Circulação`, de (A) Ainda Arquitectura + Paula Santos, Luís Tavares e Guiomar Rosa.
In, arq./a , 01.01.2009, secção Cultura, p.92;93

Saatchi “Congratulations to Isabel Barbas the winner of the SHOWDOWN Head-To-Head Saatchi Gallery on Line. (see here:
http://isabelbarbas.blogspot.pt/2009/03/blog-post.html )
"The work SEAHOUSE is now on display at the Saatchi Gallery – it was put up on Saturday 18th April and will be showing for an exhibition period of approximately 3 weeks to one month.
“Showdown round winners are now being displayed at the new Saatchi Gallery, and during the inaugural exhibition of new Chinese art over 400,000 visitors saw the Showdown works, a record number for any contemporary art exhibition in the UK.
http://www.saatchi-gallery.co.uk/

Spanish kiosks (Domus)

The kiosks designed by Ben Busche and Isabel Barbas will be used for all the temporary fairs and outdoor markets in Madrid

Their silhouette is based on an archetypal form: when closed it looks like a little Monopoly house; when open it reveals its precise internal functionality. The folding part becomes a load-bearing element for communication. Silvia Monaco

http://www.domusweb.it/content/domusweb/en/design/2008/01/23/spanish-kiosks.html

Kiosk by Brut Deluxe (Wallpaper).

Madrid architectural duo Ben Busche and Isabel Barbas’ recent creations include this stylish, naturally rusted steel plate minimalist kiosk, for use in the Spanish capital’s temporary markets. With the country’s traditional food halls getting the starchitectural treatment - checkout the beautiful Enrique Miralles and Benedetta Tagliabue Santa Catalina Market in Barcelona - it is no surprise that the open markets were quick to follow up in the design game. When closed, the kiosk resembles abstractly a typical house, with a punched-floral motif, discretely decorated façade. When the front opens up, the toy-like house transforms, revealing a backlit advertising board in the form of an oversized chimney, a brightly coloured interior and the necessary, compact yet functional, shop space. In December 2006, one hundred kiosks produced by Primur S.A were installed by the city of Madrid throughout three different handicraft markets. Plans to expand the idea with wood and glass variations of the structure, are currently in the pipeline… http://www.wallpaper.com/architecture/kiosk-by-brut-deluxe/1361

Iconic Kiosks (A10)

Monopoly is probably the best selling board game in the world. An estimated 500 million people worldwide play this game, which in essence is about achieving wealth by buying, selling or trading properties. After the first rounds of buying up land to build on, we start buying houses and then hotels to populate the streets and squares and increasing their commercial value.

Something similar is now happening in Madrid. The Ayuntamiento (city council) is trying to inject new life into public spaces by improving conditions for vendors. There is a need for small pavilions, or kiosks, from which to sell daily needs such as newspapers and refreshments or to make and sell handicrafts.
The kiosk design is not new. In fact it is an archetypal shape that can be found everywhere, from our Monopoly board game to every small town we know. It starts with our childish drawings and continues through our life as the dream image of an old house to spend the rest of our days. It's the house stripped to its essentials, an icon that can be re-created endlessly, retaining the ability to become something different and original every time.
The kiosk is not intended as an isolated object in the urban landscape, but as a social condenser, part of a compact village within the big city: a small, integrated but autonomous world of buying and selling. Fully unfolded, the volume reveals a rich interior with a big, backlit advertising panel that can be raised vertically above the roof to indicate the little building's purpose. The interior of each kiosk has a 'personalized' colour scheme, in contrast to the standard outer skin of Cor-Ten steel stamped with a flower pattern.
In December 2006, the Madrid Ayuntamiento installed 100 such units, by Ben Busche and Isabel Barbas of Brut Deluxe, in three different street markets. In the coming years they will be seen on many different occasions all over the city, perhaps with a different skin – steel, wood, glass, etc. – but still with the iconic shape

http://www.a10.eu/insider/a10_insider/kiosks_madrid.html?keyword=isabel+barbas&subjects%5b%5d=all&countries%5b%5d=all

Brut Deluxe arrecadam Outrosmercadus'08 (see here: http://isabelbarbas.blogspot.pt/2010/01/quiosque-m.html )

O Pémio Outrosmercadus'08 distinguiu o colectivo Brut Deluxe. Isabel Barbas e Ben Busche foram assim premiados pela concepção do quiosque m. poli, um volume fléxível que "nos remete para uma instalação ou um jogo". O Construir foi saber mais sobre esta "casa do monopólio"

Isabel Barbas e Ben Busche são os nomes por detrás do colectivo Brut Deluxe, e os vencedores do concurso Prémio OutrosMercadus'08. O quiosque m. poli, pensado e projectado para o espaço urbano de Madrid, nomeadamente para feiras e mercados temporários foi a obra galardoada, por um prémio cujo objectivo é distinguir e promover o reconhecimento público de obras de arquitectura ou design, num âmbito extensível a diversas áreas de produção cultural, tendo contudo um denominador comum: o facto de serem intervenções de carácter efémero.

Monopólio

Uma casa do monopólio. Facilmente se faz a associação do quisoque m. poli a estes minúsculos objectos com que quase todos já brincámos um dia. De acordo com a dupla do gabinete Brut Deluxe, "o desenho foi inspirado em imagens arquétipos: praça, rua, casa, chaminé…Fechado o quiosque é um paralelepípedo em cobertura de duas águas, é um volume aparentemente sólido e compacto, é o arquétipo da casa. A escala e configuração são tão reduzidas que nos remete para uma instalação ou um jogo", pode ler-se na memória descritiva do projecto. Concebido para se adaptar à configuração urbana, o m. poli permite, consoante o contexto onde se implanta, criar conjuntos que no seu todo lembram pequenas aldeias, "espaços cénicos que instigam memórias. Pequenos mundos à parte".

"Cada mercado será um novo jogo"

Em cada contexto urbano é possível criar novos aglomerados, novos pequenos mundos de m. poli. Graças às suas características de mutabilidade, à facilidade com que se transformam e à gama de materialidades em que estão disponíveis, "cada mercado será um novo jogo". "Ao abrir-se o quiosque transforma-se. Uma parte da frente sobe mecanicamente e apoia-se na cobertura: a proporção altera-se, torna-se muito mais vertical e chamativa, uma casa com uma potente chaminé", explicam Isabel Barbas e Ben Busche no documento descritivo do quiosque. Esta chaminé funciona como suporte de um eventual painel publicitário que permite ainda ser retro-iluminado de noite. Através desta transformação o quisoque revela o seu interior, "uma casa cheia de surpresas, todas diferentes e de cores variadas. Revelam o seu habitante e o que tem para oferecer/vender". Rela­ti­va­mente à sua pele exterior, ela varia entre o aço cortén (alaranjado), aço escovado (esbranquiçado), aço inoxidável (espelho) e aço envernizado (cinza escuro), quatro materialidades disponíveis que permitem "agrupar quiosques do mesmo material ou misturá-los consoante o diálogo com o espaço urbano onde serão instalados", lê-se na memória descritiva do projecto.

Mobilidade e flexibilidade

"O sistema construtivo (do m. poli) é semelhante ao sistema de chassis e carroçaria dos automóveis", explica a dupla de arquitectos. "As chapas de aço, aproveitadas no máximo das sua medidas, são fixadas mediante soldadura de pontos com revestimento interior. Todos os elementos fazem parte da estrutura do quiosque contribuindo para a sua resistência e rigidez", sustentam os mesmos. Móveis e fléxiveis, como mandam as exigências da sociedade contemporânea, cada módulo repete o mesmo ciclo de "transporte, descarga, instalação, uso, carga e armazenagem várias vezes ao ano". Também as medidas exteriores (200x300cm), facilitam o transporte de uma forma integral sem a necessidade de desmontar para montar posteriormente. De forma a dar uma resposta eficaz a essas condições de uso, é necessária a utilização de materiais resistentes, tanto ao nível do revestimento exterior como do revestimento interior. "A estrutura, isolamento, instalações eléctricas, impermeabilização e revestimentos exteriores e interiores resolvem-se na espessura de dez centímetros que desenha o quiosque em todo o seu perímetro". Seguindo a política de flexibilidade inerente a todo o volume, também o sistema de exposição interior pode ser facilmente adaptado às necessidades de cada comerciante, bem como todo o sistema de abertura do módulo, que segundo Isabel Barbas e Ben Busche "funciona mediante quatro pistões hidráulicos formando dois pares em paralelo. "Em cada par o pistão inferior aloja-se no tecto falso do corpo do quiosque e acciona um braço rotante que abre o portão a 90º, posição de sombreamento e protecção da chu­va, o pistão superior aloja-se no próprio portão e acciona sobre o mesmo braço uma abertura de 180º, posição de máxima visibilidade do painel publicitário", sustentam os mesmos. O m. poli foi pensado para os mercados efémeros de Madrid, e encomendado ao gabinete Brut Deluxe pelo Primur SA para o Ayuntamiento da capital espanhola. O módulo foi agora galardoado na edição de 2008 do Prémio Outrosmercadus

7 de Novembro de 2008,por ANA RITA SEVILHA

http://www.construir.pt/2008/11/07/brut-deluxe-arrecadam-outrosmercadus08/


Lexmarkex European Art Prize (see here: http://isabelbarbas.blogspot.pt/2009/04/flowers-projectpaintings-mal-me-quer.html )
Finalistas Lexmark España ha dado a conocer la lista de participantes españoles en el European Art Prize, que han sido seleccionados en la 1ª fase de este premio dotado con 30.000 euros.Entre los trece finalistas españoles se encuentran algunos componentes del panorama artístico actual, así como jóvenes promesas.Los finalistas españoles son: Antonio Elías Medido García.Álvaro Coronas Cabrera· Cristina Sánchez-Aparisi· Fernando Arahuetes González· Gamarra Heshiki. Isabel Barbas ·Javier Marticorena· Jordi Izquierdo Olivé·José Antonio Pérez Esteban·Mª José Díaz Leria·Pedro Atencia Barrero·Philipp Frohlich·Tim Stoner.
Lexmark Europa, recibió cerca de 4.000 obras procedentes de pintores de toda Europa, el doble de participantes que el año pasado. Estos pintores españoles competirán con el resto de artistas europeos por el premio final de 30.000 euros.Las obras de los trece finalistas españoles han sido evaluadas por un jurado compuesto por algunas de las figuras más respetadas del mundo del arte europeo. El profesor Brendan Neiland, conservador de la Royal Academy Schools, presidió el jurado en el que también estaban incluidos el profesor Burkhard Held, de la Universität der Künste Berlin, Alemania, y Zbigniew Turlej, Fundacja Turlej, Polonia.
“Es emocionante ver un premio dedicado solamente a apoyar el renacimiento de la pintura; el excepcional nivel de los trabajos que hemos recibido este año lo refleja”, dice el profesor Neiland.“Hemos visto algunos de los trabajos más interesantes que hemos podido contemplar en los últimos años, y provienen de gente que a lo mejor no ha podido abrirse aún un hueco en el mundo del arte”, continúa.
in UBICART, 29/06/04


PUBLICATIONS

-amc (France), hors série lumiere, june 2009 -arhitectura (Romania), nº 73, april 2009 -amc (France), nº 187, april 2009 -Interni (Russia), nº 11, march 2009 -Spacecraft 2 (Germany), Gestalten Verlag, Berlin 2009 -Tasarim (Turkey), nº 188, feb 2009 -b-guided (Spain), nº 38, winter 2009 -Topos (Germany), nº 65, december 2008 -Architectural Review (UK) nº 1342, december 2008 -Architectural Record (USA) nº 12, december 2008 -arq./a (Portugal) nº 63,arquitectura e arte, november 2008 -Arena (South Corea), august 2008 -Design Quarterly (Australia), nº 30, august 2008 -Detail (Spain), nº 4, april 2008 -c3 (South Corea) nº 281, january
2008 -domus (Italy), nº 910, january 2008 -Construir (Portugal), nº 114, november 2007 -Pasajes Construcción (Spain), nº 33, november 2007 -Diseño Interior (Spain), nº 183, october 2007 -arq./a (Portugal) nº 50, arquitectura e arte, october 2007 -Detail (Spain), july-august, nº4 -2007 -arq./a (Portugal) nº 43, arquitectura e arte, march 2007 -a10 magazine (EU) nº 14, march 2007 -wallpaper (UK), march 2007 -Arquitecura COAM, (Spain), nº 347, 1T2007 -Arquitectura e Vida (Portugal), nº 58, march 2005 -Concursos COAM, Iluminar Madrid, Edt. Fundación COAM, Madrid 2005 -arq/a (Portugal) nº 28, december 2004 -Bauwelt (Germany) nº 48/04, december 2004 -Concursos COAM, construtec 2004, Edt. Fundación COAM, Madrid 2004



Lisboa, Portugal
Working in Lisbon / Art and architecture / Several expositions, Public Interventions and Lectures in Portugal, Spain and Europe / Since 2010 Assistant Professor at Architecture Department ECATI | ULHT / Educ. / 2007, Lisbon, PhD course in Design FAUTL / 2004, Palma de Mallorca, "Taller", FUNDATION JUAN MIRO/ 2004, Madrid, Course of Painting, University of arts, COMPLUTENSE/ 2001-03, Lisbon, Master in Drawing, University of Arts, FBAUL / 1998, Rome, University of Architecture, LA SAPIENZA/ 1992-99, Lisbon, University of Architecture, FAUTL / 1990-92, Portalegre, School of ARTS and CRAFTS/